Mudanças nas práticas odontológicas

No Brasil, a preocupação diária recorrente no combate ao coronavírus é grande. Por esse motivo, a campanha Sorrir Muda Tudo, que propaga a mensagem da  importância e o cuidado com a saúde bucal para a saúde como um todo, elege um time de especialistas para ajudar a disseminar a legibilidade sobre os cuidados essenciais dentro do novo cenário da pandemia no Brasil.

Segundo a Dra. Helenice Biancalana, odontopediatra e Mestre em Saúde da Criança e do Adolescente, existem recomendações que precisam ser feitas de agora em diante diariamente. De acordo com as recomendações da ALOP – Associação Latino Americana de Odontopediatria e da ABOPED – Associação Brasileira de Odontopediatria, a pandemia da nova doença denominada COVID-19 exige mudanças significativas nas práticas odontológicas.

“O Coronavírus (SARS-CoV-2) está presente em secreções da nasofaringe e na saliva de pacientes infectados, e as rotas de transmissão do vírus são o contato direto, gotículas ou aerossóis. Como a grande maioria dos procedimentos odontológicos convencionais gera aerossóis e são potenciais fontes de infecção, pacientes e profissionais estão em risco aumentado de contaminação. Portanto, todo paciente deve ter cuidado redobrado com a saúde bucal, além de colocar em prática as recomendações mundiais da OMS – Organização Mundial da Saúde, assim como do Ministério da Saúde”, afirma a odontopediatra.

Dentro deste novo cenário, cabe à equipe de cirurgiões-dentistas a missão de manter o ambiente odontológico saudável e de controlar a transmissão desta doença altamente contagiosa a todo momento. Neste sentido, além dos cuidados de higiene padrão muito comuns nos consultórios médicos-odontológicos e dos recomendados pela OMS – Organização Mundial da Saúde contra o coronavírus, os procedimentos alternativos podem ser implantados em relação aos protocolos de tratamento adotados para os pacientes em geral.

“Este é o momento em que os procedimentos não invasivos, micro e minimamente invasivos adquirem importância renovada. Os procedimentos têm em comum o fato de se fundamentarem nos conceitos mais modernos para tratamento da doença cárie com abordagem conservadora e biológica. Assim, é de grande valia ter comprovada a eficácia no controle da doença, o que é muito importante para o momento em que vivemos, pois não necessitaremos do uso de alta rotação ou seringa tríplice, porque ambos são agentes geradores de bioaerossóis”, conclui Helenice Biancalana.

Outro assunto importante a ser abordado neste momento é que os odontopediatras estão preparados para atender as crianças de acordo com as necessidades, mas vale lembrar que os atendimentos estão restringidos somente aos casos de urgência durante a quarentena, conforme a recomendação do Ministério da Saúde do Brasil e do Conselho Federal de Odontologia. Mas o paciente deve recorrer ao atendimento telefônico, realizar a consulta prévia junto a uma atendente, que deverá recolher os dados sobre o estado geral da criança e do acompanhante, para que a consulta, mesmo que on-line, permita o atendimento odontopediátrico.

Os especialistas se reinventaram nos últimos meses, os brinquedos tiveram que pedir licença e ir “passear” sem data ainda para voltar. Toda a biossegurança, tanto para o paciente e acompanhante quanto para o odontopediatra e sua equipe deve ser de excelência, sempre com uma linguagem lúdica, de forma que o entendimento da criança seja real e verdadeiro.


Fonte: Assessoria de Imprensa

COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA